Pular para o conteúdo principal

NETOS, por Jorge Pinheiro

Nunca pensei ter netos. 
É um Ser que é nosso, sem ser exclusivamente nosso. 
Um Ser partilhado. 
Netos são os frutos genéticos da nossa colheita. 
Um apuramento de castas. 
Um vinho fino. 
Os netos transformam a nossa idade. 
Temos de nos por ao nível deles. 
Voltar a contar histórias, mudar fraldas, aquecer biberons, andar de gatas, jogar às escondidas... Somos outra vez novos de novo. 
Ser avô foi a melhor coisa que me aconteceu.


Jorge Pinheiro um blogueiro e amigo. Hoje, ele postou a foto de sua neta, a Sofia,  no facebook.  Nem sabe ainda que estou por aqui fazendo arte.

Me encantei e me identifiquei com o que escreveu, sem contar que amei as palavras  "ditas" em português de Portugal.  E na verdade, impossível, resistir ao charme e beleza da pequena grande Sofia!

Por muitas vezes me pego tentando definir o que é ser avó. Ainda hoje, lí nos comentários do post de Jorge Pinheiro, o que  Eduardo Penteado Lunardelli, do Varal de Idéias   escreveu ao avô de Sofia: "Se eu soubesse que ser avô era tão bom, tinha saltado a parte dos filhos" .  Genial, não acham?!

A cada gesto que vejo entre avós e seus netos, a cada conversa que troco com gente da mesma tribo que a minha, fico encantada em ver o quanto somos felizes e privilegiados por Deus, por podermos viver essas crianças. 

Eu fui muito feliz por ter convivido com meu avô paterno por muitos anos na mesma casa. Ele foi um anjo na minha vida. Minha avó materna foi mais enérgica, mas mais tarde tive tempo de curtí-la e hoje sinto saudades dela também. Cada um no seu estílo único, foram um encantamento na minha vida.

Felicidade! 
Sempre digo aos meus amigos que nunca rí tanto na vida, depois de me tornar avó!


Comentários

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…